RendaLab

Como escrever bem (mesmo sem inspiração)?

Eu sempre achei que eu não tinha jeito pra escrever, que não sabia como escrever bem. Sempre achei que jamais conseguiria ter um blog, porque eu nunca tinha “inspiração”, ou “jeito”, pra escrita.

Se você tem um site ou um blog, provavelmente já passou por situação parecida. Aquela angústia de ter que escrever um texto mas não ter ideia sobre o que escrever. Ou talvez você saiba sobre o que escrever, mas não consegue começar, ou não sabe como organizar as ideias. Ou, por último, aquela ingrata inspiração que parece nunca vir, não é? A pergunta que fica é: Como escrever bem, mesmo quando a inspiração não vem?

Bem, depois de aprender diversas coisas sobre como escrever melhor, eu fui capaz não só de criar um blog como escrever esse artigo com mais de 3.200 palavras pra te ajudar a escrever melhor, e sem depender de inspiração.

Continua que eu te conto como…

Antes de escrever uma palavra sequer…

A síndrome da tela branca!

Já vamos começar em um ponto crucial: Se você é daqueles que abre um documento em branco no computador e tenta começar o seu texto… bem… você está encrencado(a).

Vez ou outra pode ser que funcione, mas em breve você vai começar a se queixar que não consegue escrever, ou então que “a inspiração não vem”… Já ouviu essa história né?

Sim, eu concordo com você que quando “a inspiração vem”, a gente escreve que nem doido e quando toma conta, percebe que escreveu milhares de palavras. É quase mágico!

O problema é que esses momentos são raros, e se você tem um blog, você não pode contar apenas com isso.

A sua vida será muito mais fácil (e a qualidade dos seus textos, melhor) se você fizer um trabalho antes sequer de começar a escrever.

Calendário de publicações

Pode parecer bobagem, mas saber de antemão sobre qual tema você irá escrever já ajuda muito a superar a “falta de inspiração”. E pra isso, eu sugiro que no começo do mês você defina quantos textos você quer escrever, e quais temas irá abordar.

Desse jeito, você consegue planejar e abordar temas com mais relevância, ou que tenham conexão um com o outro, como uma série de X posts sobre um assunto, por exemplo.

Não escreva o seu rascunho no WordPress

A maioria das pessoas utilizam o WordPress como gerenciador de sites, e se você não o utiliza, eu recomendo muito que comece já. É muito simples e incrivelmente funcional.

No entanto, eu recomendo que você NÃO use o WordPress DURANTE o processo de escrita dos seus textos. Apesar de existir uma função de rascunho, não é raro acontecer de dar erro na página bem na hora de salvar o seu rascunho. Aí, meu caro leitor(a), todo o seu trabalho pode ser perdido.

Para escrever, eu sugiro que você use o Google Docs, que é gratuito, muito funcional, e salva automaticamente os seus documentos enquanto você está escrevendo. Ou seja, sem riscos de perder o seu trabalho.

Além disso, se alguma coisa acontecer com o seu site, e você perder todos os seus dados, os seus textos ainda estarão salvos na sua conta do Google.

Não tente surpreender os seus pares!

Não tente surpreender seus pares, tente agregar valor àqueles que sabem menos que você

Isso é muito importante. Um dos motivos que nos fazem “travar” na hora de escrever, é pensar em qual será a avaliação daquelas pessoas que sabem tanto quanto (ou mais que) nós sobre aquele assunto que vamos tratar.

Quer uma dica? Esqueça essas pessoas! O seu texto não está sendo escrito para ajudá-los. O seu texto está sendo escrito para ajudar aqueles que sabem menos que você. É pra eles que seu texto deve ser escrito, logo, são eles que devem estar em sua mente na hora de escrever!

Escreva o seu texto ao longo de vários dias

No começo, o meu processo de escrita era o seguinte:

  • Sentar na frente do computador;
  • Pensar em um tema para escrever;
  • Fazer alguma pesquisa sobre o tema (se necessário);
  • Escrever (lendo tudo o que eu estava escrevendo, corrigindo os erros) e finalizar;

E tudo isso eu fazia de uma vez, e levava umas 3 horas para terminar. O resultado era um texto sem muita estrutura, nem propósito. Com uma série de deslizes gramaticais e de concordância, além de sinais claros de queda da cadência da escrita a partir de um determinado ponto do texto. A famosa pressa pra terminar…

Depois de ler essa série de posts no site Problogger, eu comecei a fazer diferente. Eu separei a escrita de um texto em 5 etapas que, de preferência, são feitas em dias separados:

  • Definição do tema;
  • Pesquisa (se necessário);
  • Definição do propósito e esqueleto do texto (detalhes mais adiante);
  • Escrever, escrever, escrever… Como se não houvesse amanhã 🙂
  • Revisão do que foi escrito, ajustes gerais e finalização;

Como eu disse, eu tento fazer essas etapas em dias separados. É claro que se houver uma urgência para terminar, eu posso fazer mais etapas de uma vez só. Mas em geral eu tento seguir essa ideia. Desse jeito, eu estou sempre descansado para a etapa que tenho que realizar.

Também fico pensando no assunto mesmo durante o decorrer dos meus dias, o que geralmente se traduz em ideias mais criativas para colocar em prática.

Se você não quiser levar 5 dias pra terminar, eu recomendo muito que pelo menos faça as etapas 4 e 5 em dias separados. Digo isso pois quando estamos lendo e escrevendo um conteúdo por muito tempo, começamos a não notar mais os erros e brechas na concordância do que estamos escrevendo.

Por isso, é sempre bom deixar para revisar no dia seguinte, com a cabeça “fresca”.

Começando o texto

Depois de definir o tema que será escrito, e de ter feito uma pesquisa caso seja necessário, é hora de começar o seu texto. Mas ainda tenho algumas sugestões do que fazer antes da primeira palavra…

Pense na transformação que você quer causar

Qual o propósito do seu texto? É informar? É provocar uma reflexão? É ser um manual, como esse manual de SEO para iniciantes?

Em outras palavras, tente responder a pergunta abaixo da forma mais simples que puder:

“Depois de ler esse texto, meu leitor [transformação]”

No caso desse texto que você está lendo agora, a resposta é:

Depois de ler esse texto, meu leitor terá ferramentas para escrever textos melhores e sem depender de inspiração.

Consegue perceber? Duas transformações bem claras: Textos melhores e sem depender de inspiração (ou seja, com consistência). Esse objetivo vai me guiar em todas as etapas seguintes.

Se você não conseguir responder a essa pergunta, talvez seja melhor repensar se esse texto deve mesmo ser escrito. As vezes acontece, e não tem nada de errado com isso.

Pense no seu seu leitor (e em você)

Você já sabe o tema, e qual a transformação você quer causar no seu leitor. Mas o que será que passa na cabeça dessa pessoa?

Quais são as dúvidas que ele ou ela tem? O que eles gostariam de ler? Indo mais além, se fosse você que estivesse procurando um texto sobre esse assunto, o que você gostaria de ler? Quais perguntas você gostaria que fossem respondidas?

Tire um tempo para se colocar no lugar de quem vai ler o seu texto. Isso te ajudará a escrever com empatia, e também oferecer ajuda de forma mais direcionada (eu já tive leitores que disseram que parecia que eu estava “lendo os seus pensamentos” nos meus textos. É isso que queremos atingir).

Exemplos de perguntas que eu pretendo responder com esse texto são:

  • Como escrever quando não estou inspirado?
  • Como começar um texto?
  • Como terminar um texto?
  • Como escrever textos melhores?

Se eu estivesse procurando por um texto para me ajudar a escrever melhor e sem depender da minha inspiração, eu adoraria ter essas perguntas respondidas. Logo, é bom que eu as faça agora (me conta lá embaixo se fui bem sucedido hein?).

Esqueleto do texto

Chegou a hora de começar a esboçar todas as ideias que você quer abordar. Eu gosto de usar mapas mentais, como abaixo, para jogar todos os tópicos que estão na minha cabeça:

Depois que joguei as ideias, eu tento criar um “esqueleto” do meu texto. Ou seja, se meu texto fosse um livro, como eu dividiria os capítulos e sub-capítulos?

Você consegue identificar quais seriam capítulos e sub-capítulos desse artigo que está lendo agora? Percebe como eu quebrei as ideias de forma lógica para atingir o meu objetivo final – Como escrever bem e com consistência? Para isso, eu abordei os principais pontos que envolvem a escrita: Como se preparar, como começar, como desenvolver, e como terminar.

Título

O título do seu texto é extremamente importante, e você deve entender qual é o propósito de um título. Já se foi o tempo onde o título de um texto poderia ser apenas uma descrição do assunto abordado.

Hoje em dia, com TANTA informação na internet, todos os assuntos do mundo já foram abordados por dezenas de textos dos mais variados. Logo, não basta que o título do seu texto apenas informe o assunto que está por vir.

Ele deve atingir um objetivo crucial: Fazer com que a pessoa queira clicar para ler mais. Fato! É claro que de nada adianta se o conteúdo do seu texto não for bom. Mas se o título não chamar a atenção, o seu conteúdo tão precioso sequer terá uma oportunidade de brilhar.

Introdução

Se o título tem o objetivo de fazer com que a pessoa queira clicar para ler mais, a introdução tem o objetivo de fazer com que ela continue com você, que ela fique intrigada, como por exemplo, uma pergunta que a faça querer continuar lendo para saber a resposta.

Outro recurso que pode ajudar a capturar a atenção do seu leitor são histórias. As pessoas adoram ler histórias, principalmente se elas se identificarem com o que está sendo contado.

Portanto, não tente fazer um resumo do que será tratado adiante. Tente deixar aquele desejo de continuar a leitura. Aquele anseio de saber mais.

Mas tome cuidado para não exagerar e fazer uma introdução longa demais, ok? Além disso, não tente fazer uma introdução excelente na primeira tentativa. Escreva as ideias e deixe para lapidá-las depois, na hora da revisão.

Durante o texto

Escreva, escreva, escreva…

Nesse ponto, as ideias devem estar borbulhando na sua cabeça. É hora de dar vida a tudo isso. Escreva tudo, sem filtros, sem julgamentos. Não se preocupe em lapidar o que está escrevendo. Isso será feito depois. Agora é hora de escrever.

Quanto mais você julgar e tentar lapidar o que está escrevendo, maior será o bloqueio na escrita. Então deixe o seu lado crítico para trás.

Se você definiu um esqueleto para o seu texto, você terá muito mais fluidez nas ideias. Digo isso pois os capítulos e subcapítulos do seu texto já estarão definidos. Agora é hora de preenchê-los com o que você sabe, e com o que você pesquisou.

Para não perder “o fio da meada”, eu evito parar de escrever para buscar imagens ou fazer links com conteúdos adicionais. O que eu faço é colocar uma anotação, geralmente entre colchetes [ ]. Mais tarde, durante a preparação do texto no WordPress, eu substituo as anotações com o conteúdo correto. Isso me ajuda a manter focado no que estou escrevendo.

Faça um texto escaneável

Aqui vai uma verdade difícil de ser encarada: nem todas as pessoas vão ler o seu texto do começo ao fim. Eu arrisco dizer que você também já deu aquela “olhada por cima” em um texto, tentando ler os tópicos e um ponto ou outro em destaque. Só pra ter uma ideia do que foi dito.

É mais fácil aceitar esse fato do que querer lutar contra ele. Portanto, tente fazer o seu texto de um jeito fácil de ser “navegado”. Isso pode ser feito definindo os títulos e sub-títulos, usando listas, negritos, citações, imagens, quebras de parágrafo.

Fique tranquilo(a), isso também vai ajudar aqueles que estão lendo o seu precioso conteúdo por completo. Um conteúdo escrito com esses recursos fica muito mais compreensível e dá mais espaço para “respiros” durante a leitura. Esses respiros ajudam a entender como as ideias estão estruturadas e promovem uma leitura mais agradável.

Dá só uma olhada na diferença que dá ver o mesmo texto, de um lado com pausas e espaços em branco, e do outro sem as pausas:

Qual texto você prefere ler?

Inclua suportes visuais

É sempre mais envolvente ler um texto com recursos visuais que complementam a experiência da leitura. Imagens, gifs, vídeos, infográficos e outros tipos de recursos visuais, se usados em harmonia com o conteúdo, são ferramentas muito eficazes.

Tente acrescentar alguns desses recursos em seu texto. Utilize a opção “Visualizar” do WordPress para conferir se as imagens estão alinhadas e o conteúdo está visualmente de acordo. Como sempre, tome cuidado para não exagerar na frequência dos suportes visuais, ok?

Citações

Se cheguei até aqui foi porque me apoiei no ombro de gigantes – Isaac Newton

Citações dão um destaque para as ideias, e auxiliam nos espaços de respiro do seu texto. Você pode usar alguma frase interessante dita por alguém com autoridade no assunto. Ou então usar uma frase sua, que você queira destacar ao seu leitor.

Use links para outros textos

Vamos supor que você está tratando de algum assunto em seu texto, e você menciona um conceito que já foi abordado em um texto anterior. Aproveite o conteúdo já escrito e faça um link para ele. Fazendo isso você evita interromper o assunto em questão para explicar assuntos secundários, além de disponibilizar ainda mais conteúdo para seu leitor.

Esses dois benefícios já seriam suficientes, mas essa prática vai ajudar o SEO do seu site, pois aumenta a relevância dos seus posts e diminui o bounce rate da sua página. Se não estiver familiarizado com esses termos, dê uma olhada no meu guia de SEO para iniciantes.
Viu só como usar links para outros textos?

Está gostando deste texto? Cadastre-se na lista VIP do RendaLab pra receber muito mais:

Sem spams, só coisa boa!

Concluindo o texto

Depois de todo o trabalho que você teve até aqui, é hora de concluir com chave de ouro a sua tão suada obra de arte.

É hora da Call to action (CTA)

Todos nós que mantemos um blog queremos que as pessoas que visitam nosso site não sejam apenas “turistas”. Ou seja, caem de paraquedas em um texto específico, lêem, e saem logo em seguida, deixando ao acaso as chances de retornarem no futuro.

Nós queremos leitores engajados, que participem, que recebam as novidades que preparamos e nos permitam um contato mais próximo. Por isso, todos os seus textos devem ter uma Call to Action, ou “chamada para ação”.
Mas o que é essa tal de Call to Action? Trata-se de qualquer convite à uma ação durante ou depois da leitura do seu texto. Exemplos de Call to Action são:

  • Convite para inscrever em sua Newsletter;
  • Convite para colocarem em prática o que você falou durante o seu texto;
  • Pedido para comentar sobre o assunto ou compartilhar alguma experiência;
  • Oferecer conteúdos extras, como e-books ou checklists;
  • Convite a compartilharem o texto com alguém que possa se interessar;

E por aí vai. Use sua criatividade para conseguir tirar de seus leitores uma experiência que vá além da leitura do seu texto. Tente fazer com que haja algum tipo de interação e você terá a chance de provocar uma experiência única àquele visitante.

Algumas pessoas não se sentem à vontade para pedir algo ao leitor. Eu entendo que isso possa ser difícil. No entanto, lembre-se que você está entregando a esta pessoa um conteúdo que envolveu muito trabalho de pesquisa e preparação. Isso lhe dá abertura para pedir por algo simples, como um reconhecimento do valor que você acabou de entregar àquela pessoa.

É claro que ninguém é obrigado a corresponder, mas não se sinta acanhado(a) em fazer um convite para ação.

Outra coisa: bom senso é importante. Não inunda seu leitor com ações e entenda que ninguém é obrigado a fazer o que você está pedindo. Você resolveu disponibilizar o seu texto por livre e espontânea vontade, certo?

E não se preocupe caso ninguém comente ou participe. As vezes as pessoas já interagem de outra forma com o seu site, e tudo bem =)

Resumo do texto

Além da Call to Action, uma outra opção é encerrar o seu texto com um resumo dos pontos principais abordados. Diferente da Call to Action, o Resumo do texto não é algo que você deve acrescentar sempre, ou você corre o risco de parecer mecânico em sua escrita.

Revisão do texto

Agora você já deve ter terminado de colocar no seu documento do Google Docs (espero que não esteja no rascunho do WordPress hein =) ) todas as ideias que estavam na sua cabeça. É hora de voltar e rever tudo o que escreveu.

Eu sempre tento prestar atenção se os parágrafos fazem sentido. Se há concordância nas frases. Se alguma ideia ficou desconexa. Se repeti muito algumas palavras, ou se posso explicar algum conceito de uma forma mais didática (adoro ser didático).

Agora sim, é hora do WordPress

Depois da revisão, é hora de copiar o seu texto no WordPress, inserir as imagens, fazer os links para outras páginas, limpar todas as anotações que você deixou durante a escrita (lembra dos colchetes?). Use a ferramenta “Visualizar” para certificar que tudo está apresentável.

Feito tudo isso, salve o rascunho. Ainda não é hora de apertar “Publicar”.

Leitura em voz alta

Ninguém é perfeito, e dentre as características da nossa bela língua portuguesa, não podemos dizer que simplicidade e facilidade estão presentes. Nossa língua é complexa, e cheia de nuances. Logo, é normal ter um errinho aqui e alí.

No entanto, erros grotescos podem roubar a cena e ter a atenção dos nossos leitores. Faça uma última lida do seu texto, de preferência em voz alta, para garantir que os erros mais bobos estejam corrigidos. A ideia não é ter um texto perfeito, mas é bom se livrar dos erros mais simplez né? (viu como um erro chama a atenção?)

Categorize corretamente

Tenha cuidado na hora de categorizar o seu texto. Evite usar categorias genéricas, ou então a famosa “Sem categoria” do WordPress. Use categorias que façam sentido para os seus leitores. Assim eles podem achar o seu texto quando estiverem procurando por um assunto relacionado, ou então o seu texto pode ajudá-los a achar outros textos no seu site.

Não busque a perfeição, busque a excelência

Eu já fui muito perfeccionista, e isso só me serviu pra uma coisa: não colocar nada em prática. Portanto, uma última dica que tenho para dar é que tome cuidado para não se paralisar diante da tentativa de escrever algo perfeito.

Dê o seu melhor e busque sempre fazer algo com qualidade. Esteja certo de que haverão erros e oportunidades para melhorias. Mas isso é o que faz com que você continue evoluindo e conquistando ainda mais aqueles que lhe acompanham.

E aí? Já sabe como escrever bem?

Esse post lhe ajudou de alguma forma? Você sente que tem mais ferramentas para escrever melhor e sem depender de inspiração?

Que tal compartilhar com alguém que você conhece, ou, se você tem um site/blog, colocar um link para esse texto? Já deixo aqui o meu profundo obrigado =)

Um forte abraço,

Bruno Beraldo

  • Eu confesso que tenho escrito textos somente quando a inspiração vem, e isso é complicado! As vezes há mais temas e possibilidades na nossa cabeça do que imaginamos, mas há tanto “barulho mental” que é dificil se organizar. Achei o texto válido não só pra escrita de textos pra sites mas para qualquer outra escrita.

    • Com certeza, o texto vale pra qualquer escrita que tenhamos que fazer. Adorei a ideia do “barulho mental”. 😀